FORMATO MÍNIMO #9: AS QUATRO ESTAÇÕES-PARTE II: OUTONO

OutonoPerdão pessoal, mas os planos de lançar esses contos em uma série que culminaria no dia dos namorados foram por água abaixo por motivos de força maior (doenças na família, voluntariado na Copa Do Mundo e etc.). Mas de certa forma, esses contratempos na verdade foram bons para que a estória chegasse a vocês de uma forma mais redonda e correta. Nessa sequência da série “As Quatro Estações”, retorno à vida de Júlia alguns anos após a aventura vivida no Rio de Janeiro, dessa vez em outro cenário e outra época. Dessa vez Júlia encontra o que sempre procurou (ou acha que procurou) e isso nem sempre é garantia de obter esse objeto do desejo.

As Quatro Estações – Outono

Formato Mínimo #8 – As Quatro Estações-Parte I: Verão

Verão

Este não é apenas um conto. É o conto que dá início a uma série de quatro contos que contam a estória da jornalista Júlia e seus amores.  Esses contos sairão mensalmente e o quarto e último será postado em 12 de junho, no Dia Dos Namorados de 2014. Imagino que ela vá dividir opiniões, despertar paixões e gerar expectativas, mas acima de tudo, gostaria que Júlia fosse vista como um pessoa normal, como você e eu. Uma pessoa com sentimentos e conflitos. Sujeita as mesmas situações e emoções, mas lidando com elas de maneira extrema e apaixonada, Júlia é uma mulher que vive o momento em busca de encontrar o seu lugar no mundo.

As Quatro Estações – Parte I- Verão

Formato Mínimo #7 – Estação Luz

Estação Luz

 

Um conto que escrevi no início do ano passado, mas que foi sendo adiado, por conta de várias revisões necessárias e até mesmo de algumas adequações na estória, Estação Luz é sobre a confusão entre o amor e amizade (que não deixa de ser amor também) e sobre ter uma alma gêmea e não possuí-la. Ambientado na minha cidade favorita, descreve ambientes e cenas que eu conheço e adoro. Quem conhece vai perceber as nuances descritas e quem não conhece poderá se interessar por esse lugares incríveis, carregados de possibilidades. Espero que curtam como eu curti escrever essa estória.

Estação Luz (clique no título à esquerda para ler)

Formato Mínimo #6 – As Sessões

As Sessões Capa

Uma estória sobre se perder em si mesmo e voltar a se achar seguindo um caminho difícil. Esse conto me veio muito rápido e facilmente durante a criação, a ponto de se tornar minha criação mais longa. Se tornou especial pra mim justamente por conter praticamente nada de mim. Foi um exercício – ao meu ver, vitorioso – de deixar a estória se contar em vez de dominá-la. Espero que gostem, assim como eu gostei vê-la pronta.

As Sessões

Formato Mínimo #5 – Esperando O Inesperado

Esperando o Inesperado

Esse conto veio de um pensamento nada angelical como o conto viria a se tornar. A idéia inicial era falar sobre uma pessoa em cativeiro, privada da visão e do tato, usando os outros sentidos para tentar perceber onde estaria e com quem estaria. Mas na primeira linha do texto eu mudei de idéia e em pouco mais de uma hora terminei esse conto. Alguns leitores disseram que é o meu relógio biológico apitando pela paternidade. Quem me conhece sabe que não sou muito afeito a idéia, mas no fundo eu senti como uma homenagem a várias pessoas que me fizeram olhar o nascimento de um bebê com novos olhos. Minha mãe, que adora contar histórias do dia do meu nascimento e do meu irmão (boas histórias), Dudinha e Lulú que foram crianças que acompanho desde o nascimento como um tio-coruja “torto” que sou. Minhas amigas grávidas ( Thais em especial, que será uma mãe vitoriosa). Enfim várias experiências ligadas a nascimento de um bebê e a dinâmica da relação pais-bebê dentro da barriga que me fizeram “parir” esse conto leve e até fofo pros meus padrões. Com vocês Esperando o Inesperado.

Esperando O Inesperado

Formato Mínimo #4 – Equalize

O próprio título desse conto já dá pistas da origem de sua  inspiração. Ouvindo a música Equalize da banda Pitty no repeat dezenas de vezes durante sua composição, escrevi esta estória não baseado na letra da música, mas a usando como fio condutor para várias situações dentro do louco episódio de amor de Clara, a personagem principal deste conto. Ambientada no Rio de Janeiro, com um show da banda (que realmente aconteceu naquela época só que em outro lugar, em Sampa) como pano de fundo. Inclusive, o concerto virou um excelente DVD, o {Des}Concerto Ao Vivo. Essa música me remete a necessidade que temos de associar o amor à coisas palpáveis, como um filme, ou uma música, ou um cheiro e até um sabor. Uma forma de gravarmos aquele momento único com uma pessoa dentro do nosso subconsciente. Daí surgiu o enredo desta história que me deu imenso prazer em escrevê-la. Com vocês…Equalize.
Equalize

Formato Mínimo #3 – Todos Por Uma

Produzir uma segunda obra após se sentir bem sucedido na primeira é um salto no escuro com insegurança total. O fracasso pode te levar a crer que o primeiro acerto foi “coisa de uma vez só” ou “sorte de principiante”, e assim eu protelei um bom tempo pra escrever uma estória que já estava dentro de mim havia muito. Alguns aspectos desse conto me incentivaram a seguir em frente pois eram diferentes do “Possibilidades”. Apesar de também demonstrar uma passagem de tempo em seu desenvolvimento, essa história foge do amor Eros (físico e apaixonado) e corre em direção amor Filel, aquele que é fraterno. Outra intenção minha era pegar o leitor e surpresa com o ápice da história, e isso funcionou com vários que já me confidenciaram suas impressões. Um elemento importante pessoalmente era sair da cidade de Brasília falando de um lugar que conheço e gosto. A escolha foi óbvia e falei com propriedade sobre o pouco que conheço de Sampa. Enfim, a arte venceu o medo do fracasso e uma vez que comecei a escrever esse conto, ele veio naturalmente a mim. A única controvérsia ficou por conta do título, pois ele nasceu como “Quatro Pais”. Discussões com amigos que leram a prévia me fizeram mudar para o título atual e mesmo assim, ainda não me sinto confortável com seu título. Isso não faz diferença pois a estória sempre será essa. Nomeiem-o como quiserem. Com vocês… Todos Por Uma.

Todos Por Uma

Formato Mínimo #2 – Possibilidades

Esse é o meu primeiro filho. Eu chamo meus contos de filhos pois eles se comportam como tais. São gerados dentro de mim, aos poucos crescem, tomam forma, nascem, amadurecem, são moldados e depois saem do meu controle e batem asas. E mesmo assim os amo involuntariamente. Esse conto é afilhado dos amigos Heron (que me incentivou a escrever a história que eu queria que se tornasse um roteiro dele) e Sylvia (que revisou pacientemente e me ensina um monte sobre a língua portuguesa).

Pra mim, trata-se de uma história sobre escolhas. Nem sempre as que fazemos são as mais acertadas, mas não podemos viver a vida pensando no que poderia ter sido, isso desvaloriza o que foi. Viver bem é mergulhar na realidade e conviver sem torturas com o estouro de possibilidades.

Possibilidades

Formato Mínimo #1 – O início de tudo

Escrever foi a maior surpresa no meu ano de 2012. Sempre fui ávido por literatura, mas nunca me vi na posição de produtor dessa arte tão instigante.

Bastou um empurrão involuntário aqui e uma pouco de coragem ali para resolver me aventurar. Essa é realmente a expressão que descreve o momento de composição…se aventurar. Não pretendo bancar o novo Camões ou ser relevante como um José de Alencar. Com minha produção literária, tento escoar pro mundo coisas que penso, sinto e imagino e que dentro da minha cabeça começam a tomar espaço demais. Sendo assim, compartilhar é melhor que sufocar.

O formato de escrita é variado. Inspirado no mundo dos roteiros, mas ciente das minhas limitações enquanto escritor, optei pelo tipo de produção que considero menor (em tamanho), mas que comporta minha necessidade produtiva. Os contos. Daí vem o nome do blog “FORMATO MÍNIMO”.

Espero que minhas histórias sirvam pros leitores da mesma forma que me servem, como um olhar sobre o mundo de uma outra perspectiva. Quando escrevo, abandono minhas crenças e ética. Apenas deixo que a história siga por conta própria seu rumo, sem compromisso com certo ou errado. O que vale aqui é a sensibilidade e intuição.

Portanto, sejam bem vindos ao meu novo mundo. Em formato mínimo, mas com infinitas possibilidades.

Igor Wright

O maior segredo é não haver mistério algum.

%d blogueiros gostam disto: